INVICTUS

SOU SENHOR DO MEU DESTINO

Nelson Mandela na prisão (Imagem do Google) INVICTUS William Ernest Henley , Poeta inglês ((1849-1903) Tradutor: Sergio de Se...

terça-feira, 22 de abril de 2014

FEDERICO GARCIA LORCA





de "Artes&Poesias", via Facebook 

Este é o Prólogo



Deixaria neste livro 
toda minha alma. 
Este livro que viu 
as paisagens comigo 
e viveu horas santas. 

Que compaixão dos livros 
que nos enchem as mãos 
de rosas e de estrelas 
e lentamente passam! 

Que tristeza tão funda 
é mirar os retábulos 
de dores e de penas 
que um coração levanta! 

Ver passar os espectros 
de vidas que se apagam, 
ver o homem despido 
em Pégaso sem asas. 

Ver a vida e a morte, 
a síntese do mundo, 
que em espaços profundos 
se miram e se abraçam. 

Um livro de poemas 
é o outono morto: 
os versos são as folhas 
negras em terras brancas, 

e a voz que os lê 
é o sopro do vento 
que lhes mete nos peitos 
— entranháveis distâncias. — 

O poeta é uma árvore 
com frutos de tristeza 
e com folhas murchadas 
de chorar o que ama. 

O poeta é o médium 
da Natureza-mãe 
que explica sua grandeza 
por meio das palavras. 

O poeta compreende 
todo o incompreensível, 
e as coisas que se odeiam, 
ele, amigas as chama. 

Sabe ele que as veredas 
são todas impossíveis 
e por isso de noite 
vai por elas com calma. 

Nos livros seus de versos, 
entre rosas de sangue, 
vão passando as tristonhas 
e eternas caravanas, 

que fizeram ao poeta 
quando chora nas tardes, 
rodeado e cingido 
por seus próprios fantasmas. 

Poesia, amargura, 
mel celeste que mana 
de um favo invisível 
que as almas fabricam. 

Poesia, o impossível 
feito possível. Harpa 
que tem em vez de cordas 
chamas e corações. 

Poesia é a vida 
que cruzamos com ânsia, 
esperando o que leva 
nossa barca sem rumo. 

Livros doces de versos 
são os astros que passam 
pelo silêncio mudo 
para o reino do Nada, 
escrevendo no céu 
as estrofes de prata. 

Oh! que penas tão fundas 
e nunca aliviadas, 
as vozes dolorosas 
que os poetas cantam! 

Deixaria no livro 
neste toda a minha alma... 


Federico García Lorca, in 'Poemas Esparsos'  (7ago1918)
Tradução de Oscar Mendes






Postar um comentário

Adquira o seu exemplar

Adquira o seu exemplar
livro.estadodeespirito@gmail.com

COMENTÁRIO DE ISABEL FURINI, laureada poeta e escritora sobre a obra poética "Estado de Espírito"

http://www.icnews.com.br/2013.03.05/negocios/livros-de-negocios/estado-poetico-de-espirito/

Pesquisar este blog

HINO OFICIAL DE LUIZ ANTONIO

Letra: Sersank (Sergio S. Cunha)
Música: Irineu Santa Catarina


Clique para ouvir

https://www.youtube.com/watch?v=FmWSt6RqGs4

BEBO PAROLAS EN ESPERANTO

ESPERANTO: La solvo (A solução)

ESPERANTO: La solvo (A solução)

VEJAM O ÁLBUM DA POETA ENIDE SANTOS

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.328048557298805.1073741827.100002809917747&type=3

Veja aqui a NOTA da Prefeitura Municipal de Londrina sobre o lançamento doLivro de SERSANK

http://www.londrina.pr.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17367:sergio-sesank-lanca-estado-de-espirito&catid=88:cultura&Itemid=975

EL VIAJE DEFINITIVO - Poema de Juan Ramon Jimenez