INVICTUS

SOU SENHOR DO MEU DESTINO

Nelson Mandela na prisão (Imagem do Google) INVICTUS William Ernest Henley , Poeta inglês ((1849-1903) Tradutor: Sergio de Se...

sábado, 2 de abril de 2016

LEOPOLDO MACHADO, Uma vida a serviço do Espiritismo


LEMBRANDO LEOPOLDO MACHADO


Por Celso Martins (*)


No mês de setembro deste ano de 2016 a família espírita comemora o 125º aniversário de nascimento do saudoso Professor Leopoldo Machado Barbosa de Souza, um dos mais incansáveis batalhadores da causa espírita em nosso país.
Leopoldo nasceu em 30 de setembro de 1891 em Cepa Forte, interior da Bahia e desencarnou em Nova Iguaçu (RJ) na noite do dia 22 de agosto de 1957. Percorreu o Brasil, com diversos confrades, pregando a Doutrina Espírita e defendendo-a dos ataques dos opositores. Esse movimento de alta significação espiritual, denominado “Caravana da Fraternidade”, decorreu do “Pacto Áureo” da F.E.B. e teve como objetivo aproximar todos os espíritas do País.
 Escreveu em diversos jornais e revistas. Sempre incentivou os jovens. Foi um dos principais organizadores do I Congresso de Mocidades e Juventudes Espíritas do Brasil, reunido no Rio de Janeiro, então Capital Federal, em 1948. Embora tenha frequentado por pouco tempo a escola primária, escreveu vários livros, como por exemplo, obras de poesias (“Saudades” - 2 séries; “Idéias” e “Iluminação”), obras de teatro (“Teatro Espiritualista” – 2 séries, e “Teatro da Mocidade), obras de contos (“Para o Alto”, “Prosa de Calibam”, “Para a frente e para o Alto”), obras de polêmica ( “Julga leitor por ti mesmo”, “Sensacional Polêmica” e “Pigmeus contra Gigantes”), obras de relatos de viagens (“Caravana da Fraternidade” e “Ide e Pregai”), estudos doutrinários, como por exemplo “Natal dos Cristãos Novos”, “Nada lhe é no Momento Maior”, “Cruzada de Espiritismo de Vivos”, “Observações e Sugestões”. Teve também editado em Lisboa, Portugal, o livro “Espiritismo e Cientismo”. Defendeu teses, dentre elas, “Brasil, berço da Humanidade” e “Espiritismo: Obra de Educação”. Legou-nos livros de biografias como “Graças sobre Graças”, acerca de sua esposa, “Uma Grande Vida”, sobre Cairbar Schutel, aliás outro incansável batalhador, residente em Matão (SP) onde, dentre outros feitos, fundou e dirigiu “O Clarim” e a “Revista Internacional de Espiritismo”, ambos em circulação até hoje.
Leopoldo Machado legou-nos ainda o livro “Caxias – Eminente Iguaçuano”, tendo sido esta a sua última obra. Com ela foi admitido e tomou posse na Cadeira nº 1 da Arcádia Iguaçuana de Letras na noite de 15 de novembro de 1956.
Em 1930, com apoio da esposa Marília Barbosa, instalou em Nova Iguaçu o Colégio Leopoldo, nome dado em homenagem ao príncipe belga, futuro Rei Leopoldo III, que visitava o país. Foi o 1º Estabelecimento de Ensino Secundário particular reconhecido pelo MEC – Ministério da Educação e Cultura. Em 1942, Leopoldo Machado criou o “Lar de Jesus” destinado ao amparo de meninas carentes.
Destacou-se ainda como presidente do Centro Espírita Fé, Esperança e Caridade”, o centro mais antigo da cidade, fundado em 18 de julho de 1920, ao lado do qual instalou o Albergue Noturno Allan Kardec e a Escola de Alfabetização João Batista. Aí tive o prazer de conhecê-lo, adolescente, em 1954.
De parceria com Oli de Castro, escreveu a letra do Hino “Canção da Alegria Cristã”, muito conhecida no meio espírita do Brasil.
Leopoldo Machado, com Alziro Zarur, figura entre os fundadores da LBV – Legião da Boa Vontade, surgida em 1º de janeiro de 1950.
No ano em que renasceu Leopoldo Machado também vieram ao mundo corpóreo outros vultos espíritas do Brasil, como Artur Lins de Vasconcelos Lopes e Ismael Gomes Braga.
Lins de Vasconcelos criou, com Henrique de Andrade, em 1932, o Jornal “Mundo Espírita”. Desencarnou em São Paulo, em 1952 e foi sepultado em Curitiba, cidade que muito amou.
Ismael Gomes Braga foi um dos mais destacados esperantistas do Brasil. Autodidata, era professor de línguas antigas e modernas. Também atuou como jornalista, tendo colaborado na Imprensa leiga e em quase todos os jornais espíritas da época, tanto no Brasil, como em outros países, dando inclusive diversas entrevistas. Desencarnou em 18 de janeiro de 1969 na cidade do Rio de Janeiro.

(*) Celso Martins é professor aposentado, poeta, escritor e palestrante espírita. É autor de dezenas de obras doutrinárias e algumas didáticas, além de membro emérito da Liga Brasileira de Esperanto.




Professor LEOPOLDO MACHADO

O Professor Leopoldo Machado nasceu em 30 de setembro de 1891, no Arraial de Cepa Forte, hoje Jandaíra, ao norte do Estado da Bahia, quase nos limites com Sergipe. Era o mais novo de seis filhos do casal Eulálio de Souza Barbosa e Ana Isabel Machado Barbosa: João Leopoldo José, Emílio, Reginaldo e, Leopoldina. Só foram conhecidas as datas de nascimento de todos com o retorno do pai, do Amazonas, para onde houvera fugido por motivos políticos, quando Leopoldo ainda contava uns cinco anos de idade. Sua mãe era alva, quase ruiva, enquanto o pai era caboclo amulatado, meia estatura, forte e áspero no trato, mas, segundo o próprio filho, com um ótimo coração.

Com um ano de idade aproximadamente, após comer um prato de farinha com ovo quente, uma tia, de prenome Odília, meteu o pequeno Leopoldo em um banho frio, o que o fez estuporar. Durante dois anos oscilou entre a vida e a morte e, por fim, foi desenganado pelo médico. Era caso para poucos dias; até encomendaram o caixão. Um curandeiro chamado Ernesto, sabendo da situação precária da criança, propôs a seu pai: - Se o menino vai morrer, não custa nada ao senhor dar-lhe um remédio meu. Quer experimentar? Se ele morrer, não há de ser por meu remédio... Este continha uma mistura de purga do campo e jalava. O remédio foi ministrado e recuperou-se Leopoldo. O médico, vendo-o curado, comentou:- Para o pai e a mãe dele, seria preferível que ele tivesse morrido. Será o idiota da família, de uma estupidez sem nome. Não passará do a. b. c.. Evitem, quando puderem, aborrecê-lo para evitar crises terríveis. Os conselhos do médico só serviram para que ele levasse uma infância livre das punições, fazendo tudo o que bem entendia. Leopoldo, anos depois, comentava: - Ser espírita é ser louco... - Por mais que a gente goste de uma pessoa, morreu acabou, que não me apareça de forma nenhuma. Deus me livre do espírito de quem morreu... 

Em Salvador mais uma vez, de volta do Interior, ficou toda a família na Ladeira da Montanha. Num edifício que dava os fundos para a residência de Leopoldo, realizavam-se, regularmente, sessões espíritas, a portas e janelas fechadas. Uma noite, um Espírito fez mover-se um piano, volitar no ambiente, abrirem-se as janelas, sair do último andar e pousar bem tranquilo lá embaixo, na rua. Depois, tiveram de subir com o pesado instrumento, auxiliado por guindastes e com o concurso de muitos crioulos peritos em transportes de pianos. Leopoldo Machado foi, na adolescência, muito católico, a ponto de desejar ser padre, depois de ter sido sacristão. Foi o único membro da família que estudou o catecismo católico espontaneamente. Os irmãos troçavam de seus pendores religiosos só para o verem irritado e agressivo. Fez a primeira comunhão a 8 de dezembro de 1904. Tornando-se íntimo das sacristias, veio a se decepcionar com os sacramentos pagos, as confissões, as pendências e o misticismo da Igreja Católica. Ao conhecer a história da Inquisição, já bastante desiludido, abandonou o Catolicismo. 

Em seguida, passou a ler a Bíblia por influência de Uriel, um vizinho que lhe ensinou o ofício de sapateiro. Mas não passou do Velho Testamento. Ao encontrar um “Deus” rancoroso e vingativo, perdeu a fé. Além disso, a posição inflexível do Protestantismo lhe deixou ainda mais descrente. Permaneceu ateu por vários anos. Conheceu outros cultos e doutrinas que muito o impressionaram, como o Positivismo e o Budismo. Leopoldo Machado, com a sua família, passou a residir na Rua dos Artistas, vizinho a uma família de operários – os Cerqueira Campos. Uma das moças – a Doriana – passou a ver espíritos e a dizer bobagens. Os parentes não entenderam o fenômeno e a enviaram para o Asilo São João de Deus. A Rua dos Artistas fica em Plataforma, bairro proletário do subúrbio de Salvador, construído pela Companhia Progresso Industrial da Bahia, defronte da península itapagipana. Quando de retorno a Salvador, em visitas nos anos de 1940 e 1950, Leopoldo Machado fez questão de mostrar, aos companheiros de outros Estados o local de sua infância: Zona de praia, luz de candeeiro, água só de bica e apanhada na lata. Foi no Hotel Central, de quarta ou quinta categoria, na Rua do Julião em Salvador, depois zona de meretrício, que Leopoldo tomou gosto pelas leituras. Foi sua escola superior, segundo o próprio Leopoldo. Lá conheceu o garçom Joaquim de Souza Duarte que o ensinou a declamar e apreciar a Literatura. Da mesma forma o influenciou para o Espiritismo, pois que foram muitos os casos espíritas ouvidos nesse hotel. De tal maneira Leopoldo se interessou pelo assunto que, certa feita, num sebo da Rua do Colégio, comprou três livros espíritas: O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns e O Céu e o Inferno, edições do cinquentenário da Federação Espírita Brasileira. Comprou-os e guardou-os para leitura em oportunidade futura. Um dia hospedou-se no Hotel Central, um amazonense católico que, não tendo como pagar a conta, foi socorrido por Leopoldo Machado que se responsabilizou pelo débito. Grato pela gentileza, o amazonense retribuiu-o com um exemplar de O Evangelho Segundo o Espiritismo. De volta a Salvador, retornando de sua primeira viagem ao Rio de Janeiro, conheceu um homem chamado Viriato que se tornaria seu amigo. Viriato era médium, mas nada sabia de Espiritismo, todavia conhecia espíritas como José Petitinga de quem ele falava com admiração e quem Leopoldo Machado desejou, ansiosamente, conhecer. Uma tarde, José Petitinga apareceu no 4º Armazém das docas de Salvador à procura de Viriato e, da mesma forma, desejoso de conhecer Leopoldo, convidando-o, enfim, para ir à sua casa. Leopoldo Machado dedicava-se à declamação, ao canto e à dança. Frequentava, por isso, os saraus promovidos por várias famílias respeitáveis de Salvador àquela época, e uma delas passou a ser a de José Petitinga, então presidente da União Espírita da Bahia. Foi nesse período que conheceu outro ilustre espírita: Manuel Quintão. Durante o dia, Leopoldo Machado permanecia nas docas, em trabalho que ele considerava humilhante; à noite, transformava-se em outro homem: secretário do Grêmio Literário da Bahia, colaborando em revistas e recebendo críticas elogiosas de acadêmicos de Salvador, figurões da literatura. Leopoldo se escondia quando algum deles aparecia nas docas. Jeuville Olivier foi pseudônimo adotado por Leopoldo Machado. Com ele, publicou produções em periódicos baianos e de fora, como O Malho, do Rio de Janeiro. Affonso Ruy teceu críticas elogiosas aos versos de Leopoldo Machado. 

Certa noite, José Petitinga convidou-o para uma reunião mediúnica em sua casa e emprestou-lhe, na ocasião, um livro de Poesias de Amaral Ornelas que era amigo e colega de repartição de um baiano radicado no rio de Janeiro: Carlos Imbassay. Este lhe escreveu uma carta que lhe apresentava seu romance “Leviana”, solicitando-lhe a opinião. Leopoldo Machado escreveu sobre a obra no Diário da Bahia, uma apreciação que não agradou ao autor, a respeito de uma determinada censura que havia no livro sobre uma reunião espírita. Leopoldo Machado, espírita recente e entusiasmado, não concordou com o conterrâneo. Trocaram cartas e, em uma delas, Carlos Imbassay dizia que não era espírita e Deus o livrasse do Espiritismo. Leopoldo Machado não teve argumentos para revidar. Ainda não possuía o devido conhecimento para debater com um adversário de tal envergadura. Mal adivinhavam, à época, que Carlos Imbassay se tornaria espírita e, não somente isso, o mais brilhante escritor e polemista espírita do Brasil. Leopoldo Machado e José Petitinga se tornaram, a cada dia, mais amigos. E é Leopoldo que narra: A convivência com Petitinga foi providencial. Uma noite me encontrei com Manoel Quintão em casa de Petitinga e pretendíamos fazer uma hora de conversa proveitosa, porém, só o Quintão falou. Contou de memória todo o enredo do romance Na Sombra e na Luz, psicografado por Zilda Gama, atribuído a Victor Hugo. Leopoldo ontava a Carlos Chiacchio, dias depois, na Praça Castro Alves, o ocorrido, quando Quintão passou por nós, a caminho da casa de Petitinga. Intrigado com a pessoa, Chiacchio perguntou: - Quem era aquele senhor tão alto e formalizado? – É o Manoel Quintão, a figura central do episódio que lhe estou contando. Chiacchio sorriu-se cético e meio zombeteiro. Foi com ele a minha primeira conversa de defesa ao Espiritismo, a primeira manifestação de que encontrara, realmente, a doutrina que procurava. Isso ocorreu no ano de 1915. Algum tempo depois, Leopoldo Machado ocuparia o cargo de secretário da União Espírita da Bahia. 

Os anos vinte chegaram. O Rio de Janeiro não era mais a Corte do Império, apenas a Capital do País, mas continuava atraindo os baianos em geral, até mesmo os espíritas. Como outros companheiros, Leopoldo Machado se deslocou, definitivamente, para lá aonde viria a casar-se com aquela que seria sua companheira de todas as horas: - Marília de Almeida Barbosa. Esta, após os estudos normais, diplomou-se em professora na Cidade do Salvador, no Educandário N. S. dos Perdões. Sua família e a Leopoldo conheceram-se na ilha de Madre de Deus, na Baia de Todos os Santos, em 1921. Curioso é que, entre ela e aquele que seria seu futuro esposo, surgiu, inicialmente, uma forte antipatia. Posteriormente, as famílias se separaram, indo á dela para o Rio Grande do Norte e a dele para o Rio de Janeiro e, nesse mesmo ano, Leopoldo Machado foi dirigir um colégio em Paraíba do Sul, justamente onde Marília iria lecionar. Aí, a antipatia foi vencida finalmente e se uniram em matrimônio no dia 31 de dezembro de 1927. Em fins de 1929, se mudaram para a cidade de Nova Iguaçu. Marília aceitou o Espiritismo e desenvolveu suas faculdades mediúnicas, convencida pelo marido, naturalmente. Não tiveram filhos. Seu primeiro e único herdeiro foi um natimorto; chamar-se-ia Leopoldo, se fosse homem, e receberia o nome Marília, se fosse mulher. 

Em 1930, Leopoldo Machado consagrou-se como legítimo educador, ao inaugurar, a 21 de abril desse ano, o Colégio Leopoldo, tradicional estabelecimento de ensino, com a colaboração de Marília, de Leopoldina Barbosa, sua irmã, e do Almirante Paim Pamplona, então presidente da Federação Espírita Brasileira. Desenvolvendo um importante trabalho na seara espírita, fundaram a Assistência aos Necessitados do centro Espírita Fé, Esperança e Caridade; estabeleceram a visita periódica aos presos da cadeia e aos doentes do hospital local; fundaram o Albergue Noturno Allan Kardec. Jornalista, professor, escritor, poeta, pregador, polemista e dramaturgo, Leopoldo Machado defendeu a Doutrina Espírita por todos os meios e formas. Apologista do Espiritismo de Vivos, sem fugir à pureza doutrinária. Leopoldo Machado incentivou a criação das Mocidades Espíritas e das escolas Espíritas de Evangelização para Infância, impulsionando, também, as semanas Espíritas, as Tardes Fraternas, os Simpósios, as Mesas Redondas e os Congressos. Ele divide o mérito da idealização das Mocidades Espíritas com um jovem baiano: Heitor Cardoso, um moço de Salvador, inteligente e dinâmico, que lhe escreveu expondo um plano interessante de aproximar os moços do movimento espírita. De aproximá-los suavemente, alegremente. Como, entretanto, não tinha projeção no meio espírita do Brasil, voltava-se para nós, que bem poderíamos prestar este serviço à Doutrina. Um artigo – Aonde vai, mocidade louca do Brasil? – coincidiu com a carta do moço de Salvador. Em qualquer evento de importância para o Movimento Espírita Brasileiro, Leopoldo Machado estava presente, atuando ativamente. 

Em 1939, Deolindo Amorim torna a iniciativa de realizar o I Congresso Brasileiro de Jornalistas Espíritas, em que contou com o apoio integral de Leopoldo Machado. A partir daí, outros congressos e eventos espíritas se realizaram nos anos seguintes. No Natal de 1940, Leopoldo Machado, Oli de Castro e outros companheiros fundaram o Lar de Jesus em Nova Iguaçu, inaugurado, definitivamente, no Natal de 1942, abrigando 25 crianças, vindo a se tornar uma instituição atuante na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano, realizou-se a Caravana da Fraternidade, tendo a frente Leopoldo Machado, Lins de Vasconcelos e outros confrades, que percorreu os estados no nordeste e norte, conclamando todos para a participação, no I Congresso de Mocidades Espíritas do Brasil (17 a 23 de julho de 1948), que teve à frente: o próprio Leopoldo Machado, Lins de Vasconcelos, Oli de Castro, João Batista Chagas, J.C. Moreira Guimarães, Geraldo de Aquino, Ruth Sant’ Anna e outros idealistas. No mesmo ano, Leopoldo Machado participou, com destaque, no Congresso Brasileiro de Unificação, realizado no Rio de Janeiro, e, também, no Pacto Áureo. Polemista, Leopoldo Machado nunca se acomodava quando inimigos do Espiritismo armavam investidas contra a sua pessoa e á doutrina que abraçava. Usava os recursos da inteligência para defendê-la com a força do argumento, através da tribuna e da imprensa. Manteve polêmicas com sacerdotes que tentaram ridicularizar o Espiritismo, os quais se viram em palpos de aranha por falta de argumentos que pudessem abatê-lo. 

O trabalho que Leopoldo Machado desenvolveu na seara espírita foi imenso e poucos se igualaram a ele. Escreveu para muitos periódicos e órgãos espíritas, entre os quais, O Clarim e a revista Internacional do Espiritismo. Levou o Espiritismo ao rádio, com a Hora Espírita Radiofônica, na antiga Rádio Transmissora PRE-3, hoje Rádio Globo, trazendo ao microfone o presidente da Federação Espírita Brasileira, na época, Guillon Ribeiro. Mesmo fraco e abatido pela doença, costumava escrever e participar do Movimento Espírita Brasileiro. Convidado para cinco Academias de Letras, só aceitou tomar na Cadeira nº 1 da Arcádia Iguaçuana de Letras, com tese sobre seu patrono, Luís Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias. Da sua lavra constam, entre espíritas e profanas, as seguintes obras: Meus Últimos Versos, Saudades, Ideias e iluminação (poesias); Doutrina Inglória, Sensacional Polêmica, Pigmeus contra Gigantes, Guerra ao Farisaísmo (polêmicas); Para o Alto, Natal dos Cristãos Novos, Graças sobre Graças, Caravana da Fraternidade e Ide e Pregai (crônicas); Teatro Espiritualista (1ª e 2ª séries) e Teatro da Mocidade (dramaturgia); Uma Grande Vida, Cruzada de espiritismo de Vivos e Observação e sugestões (roteiros); O espiritismo é Obra de Educação, Das Responsabilidades Maiores dos Espíritas no Brasil, Para Frente e para o Alto, Brasil, berço da humanidade (teses). Por fim, foi ele o criador da Canção da alegria Cristã (letra) em parceria com Oli de Castro (música). 

Leopoldo passou, de etapa em etapa, por quase todas as searas do Espiritismo: a sessão mediúnica, a tribuna de conferência, o jornal, o rádio, a organização de movimento de mocidade, o teatro, a assistência social. Foi, talvez, o conferencista que mais visitou cidades por este País, a serviço da propaganda espírita. Polemista, como todos sabem, foi dos maiores e dos mais vigorosos. Leopoldo Machado estava á bem dizer, no apogeu da tribuna: era o conferencista que aparecia diariamente nas colunas espíritas dos jornais A Pátria e Vanguarda. Ele era o homem da tribuna, de segunda a domingo, no centro da cidade e nos subúrbios do Distrito Federal. Leopoldo Machado, mais tarde, passou a cuidar de outras atividades e desprezou o terreno da polêmica. Para ele, a causa espírita se sobrepunha a todas as vantagens humanas. Foi procurado, mais uma vez, para ser candidato a Prefeito local e, também, para ser Deputado Estadual, mas a tudo recusou dizendo sempre, invariavelmente: Eu só quero ser espirita. 

Retornando ao Rio de Janeiro vindo da Bahia pela última vez, Leopoldo Machado chegou a escrever um poema sob o título “A Bahia de Novo”, que foi publicado em uma revista da Legião da Boa Vontade. Logo após, na noite de 22 de agosto de 1957, às 23 horas e 25 minutos, viria a desencarnar no Lar de Jesus, cercado de amigos, familiares e acompanhado por seu abnegado médico. Na manhã da sua desencarnação, como se previsse que seria seu último dia na Terra, mandou chamar, o diretor técnico do Colégio Leopoldo e pediu-lhe: Não transforme nunca o meu Colégio em um balcão de ensino. Transforme-o antes num hospital. Nunca, nunca, em balcão de ensino. Seu corpo foi velado no auditório do Colégio Leopoldo. O cortejo seguiu, às 16 horas, até o Centro Espírita Fé, Esperança e Caridade, de que foi presidente por várias gestões, para uma prece. Voltou até a Cancela Kaonze, atravessou-a e seguiu pela rua Marechal Floriano. Exatamente como solicitara em testamento. Todo o comércio fechou as suas portas e centenas de pessoas formaram alas à passagem do esquife. Estiveram presentes espíritas, católicos, protestantes e representantes de todas as correntes políticas, de todos os colégios particulares e públicos. A notícia de sua desencarnação correu rapidamente por todo o Brasil, transmitida por Alziro Zarur, presidente da Legião da boa Vontade, através da Rádio Mundial. Na ocasião, Deolindo Amorim, confrade baiano e companheiro, escreveu algumas palavras sobre Leopoldo Machado: 

O Deputado Campos Vergal, militante no Movimento Espírita Brasileiro, prestou homenagem póstumas ao companheiro com um discurso proferido na Câmara Federal, de que são extraídos os seguintes trechos: 

Senhor Presidente, ocupo esta tribuna para tecer algumas considerações, embora ligeiras, sobre a figura de um notável baiano, hoje falecido, que, durante muitos anos, residiu na cidade de Nova Iguaçu – o Professor Leopoldo Machado. O que sempre admirei na sua vida foi seu grande espírito de luta, seu acendrado amor à paz e à Humanidade. Leopoldo Machado se despede da existência no momento em que se lança seu último livro – Caxias, Um Eminente Iguaçuano. Tive oportunidade de lê-lo, e senti emoções novas a respeito da vida do Condestável da república. É indispensável se destaque o seguinte: Leopoldo Machado teve, em sua esposa, a professora Marília de Almeida Barbosa, companheira de raro valor, caráter bem modelado, que foi o anjo bom, foi-lhe a alma e o braço forte na fundação e manutenção do Albergue Noturno Allan Kardec e principalmente, do Lar de Jesus. No Lar de Jesus, no culto cristão que se realizava todas as terças-feiras, que não era com fins mediúnicos, que um Espírito amigo, ignorando as normas estabelecidas, incorpora, na tarde de 16 de abril de 1957, na senhora Carlos Imbassay e diz: Aqui estão três baianos atrevidos, teimosos, insolentes. Mas trabalham e produzem. Quem assim se expressou foi o Espírito de Souza Ribeiro, o médico e dentista, atrevido polemista, de Campinas, São Paulo. Ele continuou, assim como fizera na existência, difundindo os pontos de vista sob o mau uso da prece, alegando que, sem vigilância, a oração só não adianta. Em Recordando Leopoldo Machado, Alfredo Miguel fala do companheiro de lides espíritas, dizendo: - Nenhum espírita militante foi igual a Leopoldo Machado que amava uma polêmica. Era rígido e contundente, confundia e contundia segundo Manuel Quintão... A personalidade estática do baiano de Cepa Forte ficou eternizada no tempo e no espaço, para aqueles que o conheceram... 

Fonte (1): 

www.telma.org.br 

Supressões e pequenas modificações. 

Jc. 

São Luís, (MA) 28/02/2013 

Fonte (2): 

http://ortsac13.blogspot.com.br/2013/03/professor-leopoldo-machado.html 

Acesso em 29/03/2016

...........................................................................................



Postar um comentário

Adquira o seu exemplar

Adquira o seu exemplar
livro.estadodeespirito@gmail.com

COMENTÁRIO DE ISABEL FURINI, laureada poeta e escritora sobre a obra poética "Estado de Espírito"

http://www.icnews.com.br/2013.03.05/negocios/livros-de-negocios/estado-poetico-de-espirito/

Pesquisar este blog

HINO OFICIAL DE LUIZ ANTONIO

Letra: Sersank (Sergio S. Cunha)
Música: Irineu Santa Catarina


Clique para ouvir

https://www.youtube.com/watch?v=FmWSt6RqGs4

BEBO PAROLAS EN ESPERANTO

ESPERANTO: La solvo (A solução)

ESPERANTO: La solvo (A solução)

VEJAM O ÁLBUM DA POETA ENIDE SANTOS

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.328048557298805.1073741827.100002809917747&type=3

Veja aqui a NOTA da Prefeitura Municipal de Londrina sobre o lançamento doLivro de SERSANK

http://www.londrina.pr.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17367:sergio-sesank-lanca-estado-de-espirito&catid=88:cultura&Itemid=975

EL VIAJE DEFINITIVO - Poema de Juan Ramon Jimenez