quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

MARIA DA LUZ



LUZITA PEDROSO


Faleceu na madrugada de ontem na capital paranaense minha querida amiga Luzita Pedroso. Eu a conheci na década de 70, em Rolândia, norte do Paraná.

Foi cidadã honorária daquela aprazível cidade.


Humilde por natureza, mas de invejável cultura; dinâmica, laboriosa, oradora de reconhecidos méritos, um nobre e imenso coração de mulher. 

Luzita é (não vou dizer que era) mãe de Eliane, Waldomiro, Luisinho e Luzita; tem muitos netos e bisnetos.

Natural de Curitiba, onde nasceu em 14 de setembro de 1931, é filha de Maria Augusta Freitas da Silva e de Francisco Pereira da Silva. Mudou-se para Rolândia (PR) em 1953, ainda jovem e recém-casada. Pouco tempo antes brilhara nas passarelas sagrando-se Miss Curitiba. Outro fato digno de nota é que a cidade de Rolândia deve a seu pai, poeta e escritor renomado, membro da Academia Paranaense de Letras, também conhecido pelo pseudônimo de “Saturnino do Sul”, a autoria da belíssima letra do Hino Oficial do Município de Rolândia.

Ela e seu prestimoso marido, Dr. Luiz Carlos Pedroso, espíritas convictos, dedicavam-se ao trabalho assistencial de inúmeras famílias carentes do Município. Eram formidáveis as tertúlias que realizavam numa dependência anexa à residência, sempre lotada de interessados em ouvir suas preleções do Evangelho à luz da Doutrina Espírita. 

A 11 de março de 1979, com Joaquim Norberto e Célia Xavier de Camargo, fundaram e construíram, com as dificuldades próprias da época, a Sociedade Espírita Maria de Nazaré, localizada no Jardim Planalto. Penso que seja importante destacar que no movimento espírita não existe a prática da cobrança de dízimo. 

Dr. Luiz Carlos estabelecera ali, à época, uma extensão do seu consultório clínico. Em dias e horários determinados, após as consultas, o ambulatório atendia com medicamentos inúmeras famílias carentes. Tudo era feito graciosamente por verdadeiro espírito de altruísmo e filantropia.

Na pequena Casa, além dos estudos doutrinários, das palestras públicas semanais, seguidas de sessões de passe, dos primeiros cursos de formação e preparação de médiuns, dos cursos de artesanato e das atividades de assistência às gestantes distribuía-se  aos necessitados, pelas tardes de sábado, deliciosa sopa de legumes que os servidores anônimos ao fim do trabalho tomavam também, com alegria.

A casa, apesar do reduzido espaço, fizera-se templo, escola e oficina.  Tenho por inesquecíveis as cantigas, os folguedos e as belíssimas aulas de evangelização infantil da Célia Xavier Camargo, ricas de histórias que surgiam espontaneamente exaltando a moral cristã.

Em 26 de setembro de 1984 ela e o marido, aliados a um grupo de amigos, fundaram o Movimento Assistencial Espírita – MÃE.

O trabalho continuava. Inúmeras famílias carentes assistidas. Dificuldades enormes. Após longa enfermidade, mas demonstrando toda a energia de sua fé raciocinada, sorrindo diante da adversidade, resignado e terno ao tomar-lhe e beijar-lhe as mãos, em despedida, veio a falecer o seu valoroso marido e companheiro, inolvidável médico rolandiense Dr. Luiz Carlos Pedroso. Nem isso a abateu. Manteve-se firme com postura missionária, diante do grande trabalho que estava por se realizar.

Em setembro de 1995, fundou e edificou, com outros companheiros, a Casa Espírita União, localizada na Rua Alfredo Moreira Filho, no interior da qual implantou o Projeto Casa do Caminho, consistindo de quatro unidades residenciais, mobiliadas, cada uma delas abrigando sem ônus, uma senhora idosa carente, por tempo indeterminado. 

Tive o privilégio de me incluir, por diversas vezes, sempre que passava algum tempo na cidade, ao devotado grupo de amigos do Movimento Assistencial Espírita – MÃE - esta exemplar Instituição benemérita  nascida dos sonhos de pacificação e edificação de um mundo melhor alicerçado nos ensinamentos do Cristo. Ali ministrei por alguns meses, um curso básico, inteiramente gratuito, de esperanto.

Vejo hoje com satisfação que os frondosos ideais de Luiz Carlos e Luzita Pedroso, com a participação de inúmeros colaboradores, ganharam forma e se consolidam na Sociedade Espírita Assistencial apta a enfrentar os desafios do futuro, considerando-se a extensão desse temerário ciclo em que nos demoramos, ciclo de sempre novas e sucessivas necessidades individuais (ou mesmo coletivas) de paz, de fraternidade e de luz.

Sou e continuarei admirador inconteste do trabalho de Luzita, a mãe dos pobres de Rolândia. Por diversas vezes, nos meus regressos à cidade, eu a visitava. Depois ia participar das reuniões públicas. Gostava de impregnar-me daquela sua verdadeira alegria cristã. Devo confessar que nutria o meu pobre espírito dos seus exemplos de fé, de devotamento, de humildade e de amor.

Ela, às vezes, me chamava a um canto e andava alguns passos comigo. Numa dessas ocasiões quando lhe falei das minhas preocupações com referência ao número de pessoas pobres que chegavam e parecia aumentar de forma desigual aos recursos do grupo, lembrou-me exemplos de Nossa Mãe, Maria Santíssima a quem humildemente reverenciava e tinha como fonte de inspiração. 

Disse-me: “Sergio, não se esqueça de que sempre podemos contar com a assistência de Maria, a Mãe de Nosso Senhor. Ela estará sempre junto de cada um de nós quando assumirmos responsabilidades e compromissos em favor das criaturas que sofrem.”

Hoje, quando nos reunimos em oração para expressar a Deus e a ela a nossa gratidão, devemos também aplaudi-la por sua existência plena de exemplos dignificantes, pela amizade com que nos distinguiu a todos e a cada um, por seu profundo amor à família e por seu devotamento exemplar à causa dos menos favorecidos.

“Ninguém acende uma candeia, para colocá-la num lugar escondido ou debaixo do alqueire; mas coloca-a no candelabro, para que vejam a luz aqueles que entram.”  (Lc 11, 33)

Querida amiga, Maria da Luz Silva Pedroso, que todos conhecemos por Luzita,
essa pequena luz contida em teu codinome é uma afirmação de humildade, mas não nos oculta a tua grandeza de alma.

Tiveste em mãos pelos caminhos terrestres e agora conduzes pelas sendas da Vida Sublimada a candeia que tomaste ao Grande Archote da Esperança, o qual um dia enfraquecido flamejou no Monte Calvário, mas depois vigorosamente ressurgiu no Tabor e incendeu a Terra. Fizeste-a luzir pelos caminhos que trilhou. Sob essa mesma luz caminhamos e caminharemos todos os que  te amam e admiram.

Deus te guie! Paz e Luz, querida Luzita, irmã e amiga Maria da Luz!

O amor de Maria 
ela reproduzia
no riso e no olhar.
Que fé demonstrava!
Que luz dispersava, 
no instante de orar!
                                            (Sersank)




Postar um comentário

Adquira o seu exemplar

Adquira o seu exemplar
livro.estadodeespirito@gmail.com

COMENTÁRIO DE ISABEL FURINI, laureada poeta e escritora sobre a obra poética "Estado de Espírito"

http://www.icnews.com.br/2013.03.05/negocios/livros-de-negocios/estado-poetico-de-espirito/

Pesquisar este blog

HINO OFICIAL DE LUIZ ANTONIO

Letra: Sersank (Sergio S. Cunha)
Música: Irineu Santa Catarina


Clique para ouvir

https://www.youtube.com/watch?v=FmWSt6RqGs4

BEBO PAROLAS EN ESPERANTO

ESPERANTO: La solvo (A solução)

ESPERANTO: La solvo (A solução)

VEJAM O ÁLBUM DA POETA ENIDE SANTOS

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.328048557298805.1073741827.100002809917747&type=3

Veja aqui a NOTA da Prefeitura Municipal de Londrina sobre o lançamento doLivro de SERSANK

http://www.londrina.pr.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17367:sergio-sesank-lanca-estado-de-espirito&catid=88:cultura&Itemid=975

EL VIAJE DEFINITIVO - Poema de Juan Ramon Jimenez