INVICTUS

Soneto de Mestre

POR QUE?

domingo, 26 de julho de 2015

100º CONGRESSO UNIVERSAL DE ESPERANTO




Realiza-se a partir de hoje, 25/07 até 01/08/2015,  na cidade francesa de Lille, como principal evento do Movimento Esperantista - o 100º Congresso Universal de Esperanto.  O tema deste ano é " Línguas, Artes e Valores num diálogo entre Culturas". 
Haverá excursões pela França (Lille, Paris e Boulogne-sur-Mer) e também pela Bélgica. 
Diariamente, o público será brindado com espetáculos, palestras e exposições, além de fóruns estratégicos para as ações globais do Movimento e reuniões interativas de diversas associações dos mais diversos países participantes.
Devo ressaltar que em eventos dessa natureza reúnem-se milhares de pessoas procedentes dos mais diversos e distantes países  e a língua predominantemente utilizada por todos os participantes é o Esperanto. 

O Esperanto é uma língua internacional e neutra.
É um eficiente instrumento para a preservação de todas as línguas e culturas do globo.
juna-zam
Uma segunda língua para todos.
O Esperanto foi lançado por Lázaro Zamenhof, (cientista polonês) em 1887, há mais de  125 anos. Com o tempo esse projeto de língua planeada transformou-se em uma língua viva, com cultura própria, internacional, e até mesmo com falantes nativos.
O Esperanto não pertence a nenhuma nação, pertence a todos os povos e cidadãos do mundo. Através dele cada povo pode continuar utilizando sua língua materna e valer-se dele para as comunicações internacionais.









Biografia



LÁZARO LUIZ ZAMENHOF nasceu em 15 de dezembro de 1859, na cidade de Bialystok, na Polônia, então anexada ao Império Russo. Era filho de Rosália e Marcos Zamenhof, criterioso professor de Geografia e línguas modernas.

Bialystok era uma cidade retalhada por diferenças políticas, religiosas e lingüísticas; falavam-se ali quatro idiomas: o polonês, o iídiche, o russo e o alemão, e o menino Lázaro assistia a discussões e contendas que geralmente terminavam em lágrimas, sangue e até mesmo em mortes violentas. Essa impressão terrível não mais se apagaria de sua mente; por isso, desde criança ele acalentou o sonho de criar uma língua através da qual as pessoas de sua cidade e do mundo inteiro pudessem se entender.

Zamenhof aprende vários idiomas (além dos quatro de sua cidade, aprendeu latim, hebraico, francês, grego e italiano, entre outros) e, ainda ginasiano, em 1878, elabora a “Lingve Universala”, aquela que viria a ser a predecessora do Esperanto.
A família de Zamenhof mudou-se para Varsóvia e, terminado o ginásio, ele foi mandado para Moscou, onde iria estudar Medicina. Durante seu afastamento, seu pai, prudente e rigoroso, preocupado com o futuro do filho, queimou os manuscritos sobre a Língua Internacional.
Ao regressar à casa paterna e dar-se conta do ocorrido, Lázaro passa a reconstruir pacientemente todo o seu projeto. Só depois de experimentos exaustivos e comprovações minuciosas com os estudos da gramática e vocabulário intensamente vividos e testados foi que considerou pronta a sua obra. Traduziu para o Esperanto grandes obras da literatura mundial, entre elas a Bíblia (Velho Testamento) e Hamlet, de Shakespeare. Estava nessa época com 28 anos de idade.
Finalmente, em 26 de julho de 1887, com o auxílio financeiro de seu futuro sogro, Zamenhof lança o Esperanto para o mundo, através de uma pequena gramática em russo, a “Lingvo Internacia”, de autoria do “Doktoro Esperanto” (pseudônimo que na nova língua significa “doutor que tem esperança”). O pseudônimo, com o decorrer do tempo, passou a ser usado para denominar a própria língua: Esperanto.
Sem deixar a profissão, já médico (oftalmologista) formado, Zamenhof trabalhou ardorosamente na divulgação da Língua Internacional. Só depois de concluída e editada sua obra é que casou-se com Clara Silbernik, com quem teve três filhos.
Em agosto de 1905, Lázaro Luiz Zamenhof vê o seu ideal se concretizar no Primeiro Congresso Universal de Esperanto, em Boulogne-sur-Mer, na França, onde se reuniram centenas de pessoas de vários países, comunicando-se em uma única língua, durante os seis dias do evento. O criador da Língua da Fraternidade ainda compareceu a outros oito congressos universais, fazendo discursos em quase todos eles, viajando sempre às custas de suas próprias finanças, com dificuldades, mas nunca se aproveitando do seu prestígio.
Em 1914, a eclosão da Primeira Guerra Mundial interrompe a expansão do Esperanto por algum tempo Abalado, Zamenhof, com problemas cardíacos, vem a falecer três anos depois, em 14 de abril de 1917, na cidade de Varsóvia.
Lázaro Luiz Zamenhof foi um homem iluminado, de moral superior, dotado de extraordinária força de vontade na divulgação de seu ideal humanístico. Foi um verdadeiro universalista, pacifista e pensador que lutou contra toda espécie de sectarismo. Sua vida foi tecida de sacrifícios, abnegação e devotamento; era um homem extremamente solidário, cultivando a tolerância e a afabilidade para com todos, nunca perdendo a oportunidade de ser caridoso. Foi, portanto, com merecimento que a UNESCO o reconheceu como um “benfeitor da Humanidade”, um nobre espírito que legou à família humana o instrumento ideal para a comunicação entre seus membros e para o seu progresso baseados na fraternidade universal.

.........................................
Postar um comentário

Adquira o seu exemplar

Adquira o seu exemplar
livro.estadodeespirito@gmail.com

COMENTÁRIO DE ISABEL FURINI, laureada poeta e escritora sobre a obra poética "Estado de Espírito"

http://www.icnews.com.br/2013.03.05/negocios/livros-de-negocios/estado-poetico-de-espirito/

Pesquisar este blog

HINO OFICIAL DE LUIZ ANTONIO

Letra: Sersank (Sergio S. Cunha)
Música: Irineu Santa Catarina


Clique para ouvir

https://www.youtube.com/watch?v=FmWSt6RqGs4

BEBO PAROLAS EN ESPERANTO

ESPERANTO: La solvo (A solução)

ESPERANTO: La solvo (A solução)

Veja aqui a NOTA da Prefeitura Municipal de Londrina sobre o lançamento doLivro de SERSANK

http://www.londrina.pr.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17367:sergio-sesank-lanca-estado-de-espirito&catid=88:cultura&Itemid=975

EL VIAJE DEFINITIVO - Poema de Juan Ramon Jimenez